Total de visualizações de página

sexta-feira, 18 de março de 2011

Umidade: não conviva com ela

Não existe nada mais chato e desconfortável em uma casa do que a umidade. As paredes ficam "vertendo" água, o piso é gelado e o banheiro, bem, esse é um capítulo a parte. Esse mal que atinge boa parte das residências pode ser evitado com planejamento na hora da construção. A primeira providência é passar hidroasfalto nas vigas. Essa emulsão asfáltica é impermeabilizante.  O hidroasfalto é indicado para áreas com muitos recortes e detalhes, tem flexibilidade e aderência à superfície, formando uma camada única e sem emendas. Não é tóxico após a cura.

Mas de nada adianta comprar o hidroasfalto e passar de maneira errada ou economizar na quantidade. De acordo com o engenheiro responsável pela minha obra, o ideal é passar quatro mãos, uma em cada sentido. (frente, atrás, esquerda e direita).  Outro erro comum que os pedreiros cometem é passar o produto apenas na parte superior da viga. Por conta disso que a tinta normalmente descasca no canto inferior das paredes, próximo ao chão. A dica é passar hidroasfalto na parte superior e no interior da viga. Um balde de 3,6 litros custa em média de R$ 45.

O segundo cuidado é com a quantidade de aterro colocado para preencher os cômodos. O recomendado seria nem utilizar esse material porque o aterro é um ótimo "condutor" de umidade. O ideal é utilizar restos de pedreira, chamado de sub-base granular. Como a pedra não "puxa" umidade, é garantia de chão seco. Mas o problema dessa troca é o preço. Enquanto o metro cúbico do aterro custa R$ 9,17, o metro cúbico de sub-base granular sai po R$ 39. No meu caso, a diferença de preço entre os dois tipos de materiais foi R$ 1.080. Optamos em utilizar um meio termo. Preenchemos com aterro, mas utilizamos uma camada de pedra brita maior que o normal para compensar.

A terceira providência fica por conta do impermeabilizante utilizado na massa de cimento do contra-piso, popularmente chamado de Sika. Também auxilia para que a umidade não seja presença constante. Um balde de 18 litros sai em média R$ 89.

ATUALIZAÇÃO: Estamos em pleno julho e no Rio Grande do Sul o inverno é um período de muito frio e muita umidade. A casa passou pelo teste: nenhuma parede suando frio e o piso sequinho. Valeu o investimento!

Foto: reprodução 

3 comentários:

  1. Adorei seu blog! Cheio de dicas!
    Já estou te seguindo!
    Bjosss

    ResponderExcluir
  2. Oi, estou sofrendo com as malditas infiltração, minha parede não para de verter água, como no meu caso a obra já está pronta e estamos morando no apartamento, te pergunto o que poderia ser feito nesse caso?

    ResponderExcluir
  3. Eu sofro com as paredes do segundo piso...no meu quarto a agua verte e escorre parede abaixo....

    ResponderExcluir