Total de visualizações de página

terça-feira, 3 de maio de 2011

O péssimo serviço de pós-venda

Sabe aquela piadinha de Deus e o diabo querendo conquistar um homem depois de morto?A maioria das lojas de material de construção parece adotar essa filosofia.

Deus chega e mostra o céu, onde tudo é calmo, as pessoas são felizes, não há malícia, barulho e por aí vai. Daí chega o encardido e mostra o inferno, com festa rolando, bebida à vontade e muita mulher. O morto não pensa duas vezes e se delicia com as alternativas do inferno. No dia seguinte, ao acordar, se depara com um cenário completamente diferente. Tudo queimado, sujo, mulheres feias, água quente para beber e ao invés de música, uma marreta para começar o trabalho. Ele chega indignado para o diabo e pergunta. "Não foi isso que você me ofereceu?" Ao que ele responde: "Ontem você era um cliente, agora já faz parte do time".

Nas lojas os vendedores te prometem mundos e fundos e depois que venderam, o cliente que se dane. Durante a obra tive muitas experiência negativas em relação a isso. O último episódio foi a caixa d'água, comprada nas Lojas Taqi. Comprei no sábado e disseram que iam entregar no domingo, porque o material seria transportado em um caminhão fechado. Domingo não veio e esperei para segunda. O detalhe é que tinha acionado a vistoria do banco e se o engenheiro viesse, poderia não liberar a papelada porque estava faltando a caixa d'água.

Segunda a caixa também não veio, assim como na terça-feira. Somente na quarta-feira, após acionar a gerente e ficar ligando a cada 30 minutos a encomenda chegou. O problema é que a caixa de fibra estava rachada e agora a loja não quer fornecer o material para fazer o conserto. Com a entrega dos pisos, comprado na Espaço Luz, de São Sebastião do Caí, também foi a mesma novela. Era para ser em um dia a entrega e o material chegou dois depois. O problema aqui foi um pouco mais complicado, pois fiquei "órfão" de vendedora. Quem me vendeu os produtos saiu da loja e até que o estabelecimento definisse quem ficaria com a "bronca", demorou.

Com as soleiras e pingadeiras de granito a novela se repetiu. O cara da Dolan, no bairro Scharlau, conseguiu perder meu pedido e tivemos que ir pessoalmente na marmoaria buscar as peças, pois ele não dava jeito de entregar. Quando o pedreiro foi instalar, uma surpresa desagradável. Uma das peças estava cheia de manchas pretas e não era nada disso que havia comprado. Tive que ir novamente lá e pedir para trocar.

Na entrega das madeiras, compradas na Made Nobre, em Novo Hamburgo, mesma novela. Material entregue fora do prazo, com madeira errada. E para conseguir fazer a troca, que sacrifício.

Por enquanto, os estabelecimentos que estão de parabéns são a Loja Solar Wallauer, a Madebrumi e a Dimako, que me forneceu o cimento.  Venderam e cumpriram com o prometido. Nada mais justo e mais correto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário